Blog

descer
16 novembro, 2017

Quando dizer não é preciso.

O acúmulo de tarefas na nossa vida se dá por diferentes razões: algum imprevisto que tirou a rotina do eixo, mudanças, novas responsabilidades. Mas existe uma atitude que, além de colocar mais atividades (muitas vezes, desnecessárias) no nosso dia a dia, afeta também o nosso relacionamento com as outras pessoas: nunca dizer não.

 

Podemos pensar que é mal educado ou rude dizer “não” para quem pede um favor, ajuda em alguma atividade ou até mesmo para quem está em busca de doações. Mas, por mais que colaborar com os outros seja uma forma de crescimento pessoal e profissional, dizer sim indiscriminadamente pode se tornar um hábito perigoso.

 

Por que aceitar tudo é perigoso?

MUTATIVA_BLOG_NOV_02 

Quando concordamos com todas as coisas que as pessoas pedem ou dizem sobre nós, corremos o risco de nos reprimir quando alguma coisa nos incomoda, assumir compromissos difíceis de manter, concordar com opiniões e posicionamentos que diferem dos nossos valores ou, ainda, terminar o dia com tarefas acumuladas, que nunca finalizamos por falta de tempo – e de iniciativa em negar o que nos pedem.

 

Vamos dizer “não” de forma consciente.

 

Aceitar todas as coisas não é sinônimo de educação. Quando somos sinceros com as outras pessoas, mostramos que temos uma atitude saudável com a nossa própria vida e respeitamos as outras pessoas, em vez de tentar agradar todo mundo e deixar alguma coisa a desejar. O importante é sempre estar consciente do sim e do não que dizemos, ter uma comunicação amigável nas nossas relações, explicando os reais motivos para negar o pedido, indicando alguém que possa realizar a tarefa ou nos comprometendo em ajudar em uma próxima vez.

 

Vamos colocar isso em prática e acabar com o acúmulo de tarefas e compromissos que nos impedem de realizar algo novo?

 

Aprender a dizer “não” também é uma fase da boa gestão dos seus hábitos. Saiba mais sobre esse processo.

Que tal? Esse texto te fez pensar, você concordou, discordou?
Vou adorar saber sua opinião! Comente e faça parte desta reflexão.

Comentários

Deixe uma resposta